Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

Artigo semanal - 24 de novembro 2011

Dar graças é subversivo

Apesar de que, no Brasil, a data nunca se tornou tradição popular, na última quinta feira de novembro, quase todos os países do continente celebram “o dia de ação de graças”, tradição norte-americana desde o século XVII. Em nosso país, a data entrou em vigor, por um por decreto do general Dutra nos anos 40 e foi depois ratificado em 1966 pelo governo militar. Até hoje, é uma celebração mais civil que propriamente religiosa e consta de um calendário oficial com autoridades religiosas e políticas.

Hoje, o Estado é laical e pluricultural. Isso não significa reduzir a zero quaisquer expressões de fé e sim cuidar da relação justa e fraterna entre todas as tradições religiosas, para que possam contribuir no serviço a toda humanidade. Em si, a laicidade do Estado não desestimula a celebração de um dia de ação de graças, seja a Deus, seja à vida, como cantava Violeta Parra: “Gracias à la Vida que me há dado tanto...”. O importante é garantir as bases autênticas da ação de graças. De fato, muitas vezes, na história, impérios legitimaram seu poder e suas conquistas atribuindo-os a Deus. Na América Latina, sempre em nome da fé, impérios europeus, ditos cristãos, invadiram os territórios dos índios e os escravizaram. Até hoje, governos imperiais se servem da religião para legitimar guerras e conquistas. Bancos põem em suas agências o letreiro: “Nós confiamos em Deus!”.

Quem confia em Deus não precisa de militares armados como segurança. Não estimula seguros de vida, saúde, casa, carro e de tudo o mais. Há pessoas que fazem seguro até de partes do corpo. O capitalismo é um sistema baseado no medo e na insegurança e não na fé. A única confiança é no mercado. Não tem lugar para gratuidade. Por isso, só confia na contabilidade e não sabe o que é gratidão. Não tem como viver uma verdadeira ação de graças.

A ação de graças supõe o reconhecimento de que todos dependemos uns dos outros. É na comunidade que crescemos como pessoas e o que temos nunca é apenas individual. Todos os bens da terra, sob certo ponto de vista, são sempre bens comuns. Por isso, só em uma visão socialista e comunitária, há lugar para a gratidão e a ação de graças. A ação de graças supõe uma postura de abertura e ternura em relação à vida, às pessoas e ao mistério de amor que fecunda o universo. É isso que as antigas tradições espirituais sempre procuraram ensinar.

Na Bíblia, a palavra salmo vem de um termo hebraico que significa louvor. Um dos mais importantes livros bíblicos é o livro dos Louvores (salmos). Poderia se chamar de “palavras do nosso amor”. Os evangelhos mostram que, muitas vezes, Jesus deu graças ao Pai. Sua confiança de que, através dele, Deus atuava no mundo era tão forte que, algumas vezes, ele agradecia a Deus não apenas por fatos que ele havia visto ou vivido e sim por algo que ainda não ocorrera, mas que ele sabia que Deus iria fazer. Assim, quando foi ao túmulo de Lázaro, ele deu graças ao Pai, antes mesmo de ver o seu amigo sair vivo do sepulcro (Cf. Jo 11).

Nesse espírito, vale a pena sim desenvolvermos uma cultura de dar graças. Não apenas em uma festa anual que parece mais comercial ou institucional do que verdadeiramente existencial. A ação de graças tem de ser a postura de cada dia da vida. Para verdadeiramente dar graças, vamos abrir os olhos para o processo social e político novo que a América Latina está vivendo e que pode tornar o mundo mais justo e mais fraterno.

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com