Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

A água nossa de cada dia nos dá hoje

"Um rio que passou em minha vida"

                 No Rio de Janeiro, a Portela, escola de samba, campeã do Carnaval de 2017, ganhou o troféu de vencedora com o samba-enredo "Foi um rio que passou em minha vida. O meu coração se deixou levar". A partir dessa homenagem a Paulinho da Viola, autor do samba clássico que tem esse título, a escola falou dos rios do Brasil e do encanto de suas águas e da necessidade de defendermos as bacias hídricas, hoje ameaçadas. De fato, a imagem usada pelo clássico samba-canção pode se tornar uma verdade literal a ser dita por brasileiros de norte a sul do país: Se não fizermos algo para mudar a realidade, os rios brasileiros passarão. Deixarão de ser reais. Segundo se conta, há 300 anos, pescadores encontraram uma imagem de Nossa Senhora Aparecida no fundo do rio Paraíba do Sul. Hoje esse rio está tão seco e esquecido que não tem pescadores e nem fundo para esconder nenhuma imagem sagrada. O Rio São Francisco, antigamente rio da integração nacional, hoje está moribundo e resistindo com dificuldade a mais de cinco anos de seca. Desse modo, estão praticamente todos os rios brasileiros.

Nessa quarta-feira, 22, a ONU celebra mais um dia internacional da água. Em vários países, devido à urgência do problema, as reflexões e eventos sobre esse dia ocupam toda essa semana. De fato, estamos em situação de risco. O sistema de vida no planeta Terra está ameaçado e a água se torna o bem mais precioso. Hoje, 1,1 bilhão de pessoas não têm acesso à água potável, e 2,4 bilhão de pessoas não contam com saneamento básico. Cada ano, seis milhões de pobres, dos quais quatro milhões de crianças, morrem de enfermidades ligadas a águas contaminadas. Até o ano 2025, conforme um estudo da ONU, esse problema afetará metade da humanidade.

Há diversos motivos para esta crise. O planeta Terra tem 75% de sua superfície ocupada por oceanos, mas a água doce representa apenas 2,5% deste total. No último século, a população mundial aumentou muito e na maioria dos países, a urbanização se fez de modo descontrolado. Toda a população da humanidade se concentra ao redor das 217 bacias fluviais internacionais que irrigam o planeta. Por causa do crescimento demográfico e da poluição, nos últimos 30 anos, os recursos hídricos foram reduzidos em 40%. Da água disponível que tínhamos, a humanidade acabou com 5000 Km2. E muitos, ainda se comportam como se a água fosse um bem inesgotável. Usam os recursos hídricos de modo irresponsável e injusto.

A água é um recurso natural limitado e pode acabar. Tem valor econômico e competitivo no mercado. Não pode ser desperdiçada (cada vez que se toma um banho com chuveiro aberto durante todo o tempo desperdiça-se mais água do que se usa). Quase todos os países atualizam legislações sobre a água. Em vários lugares, por causa da água, há conflitos entre povos. Há quem diga que as guerras do futuro serão provocadas pela carência ou pelo domínio da água. Organizações não Governamentais e movimentos populares defendem que a água não deve ser mercantilizada – ela é mais do que uma mercadoria. Mais grave ainda seria privatizá-la, o que está ocorrendo em vários países, inclusive em várias regiões do Brasil.

A Pastoral da Terra declara: “A água é constitutiva do ser humano. É necessária à vida como um todo e ao meio ambiente. Por isso, ela é um direito natural, patrimônio da humanidade, dádiva divina e não obra humana. Por isso, ela não pode ser reduzida a uma mercadoria e a um bem particular. Nenhum ser humano pode arrogar a si o poder de negar a qualquer semelhante ou ser vivo este bem essencial à vida”.

                 O cuidado com a água tem, então, motivos sociais e econômicos. Mas, a nossa relação com a água só mudará se aprendermos com as culturas religiosas antigas a nos relacionarmos com a terra e com a água de forma amorosa e espiritual. A Bíblia fala da água como símbolo do Espírito de Deus que derrama sobre o universo uma vida nova. Cuidar bem da água e defender os rios e fontes é uma forma de reconhecer a presença divina no universo, defender a vida e participar da Páscoa pela qual Deus “renova todas as coisas” (Ap 21, 5)[1]. No sul do Chile, Dom Luiz Infanti, bispo de Iassen, escreveu uma carta cujo título, nós todos podemos orar parafraseando o Pai Nosso: "A água nossa de cada dia, nos dai hoje".

 



[1] - Quem quiser aprofundar mais este assunto, leia o livro: MARCELO BARROS, O Espírito vem pelas Águas, Ed. Loyola, Rede, 2003. 

 

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com