Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

Artigo semanal, quinta feira, 21 de abril 2016

Em tempos de inconfidências e golpes

Marcelo Barros

A cada 21 de abril, o Brasil para em memória dos homens e mulheres que, no século XVIII, fizeram a Inconfidência Mineira para libertar o país do império português. Até hoje, continuamos a ter de vencer novas formas de colonialismo que tentam dominar o Brasil e toda a América Latina. Mais do que nunca, é preciso lutar por uma verdadeira “liberdade ainda que tardia”.

Nesses dias, o Brasil parou no domingo anterior ao dia 21.  Nesse dia, o Congresso Nacional foi transformado em picadeiro de circo romano. Ali, a democracia constitucional foi atirada aos leões. Feras humanas deram ao mundo o triste espetáculo de marionetes que se orgulham de ser manobradas por forças mais ou menos ocultas que os financiam. Ali, os brasileiros viram o espetáculo não da inconfidência pela liberdade, mas de um golpe, a favor do Império e dos interesses mesquinhos de uma elite que nunca aceitou perder seus privilégios. 

Atualmente, o império é outro e as condições sociais e políticas do continente são diferentes das que vivíamos no século XVIII. Entretanto, a cada momento, a independência social e política nossa, assim como a de todos os países-irmãos da América Latina, conquistada depois de tantas luta e sangue, está em perigo. Na América Latina, o governo dos Estados Unidos tem como prioridade retomar uma hegemonia na região, através do controle do comércio, perdido no início dos anos 2000. Em pleno século XXI, as embaixadas norte-americanas em nossos países continuam a financiar golpes de Estado e suscitar a desestabilização social e política em nossos países. O governo norte-americano financiou o golpe militar em Honduras, (2009) e no Paraguai (2012). Financia a oposição ao governo bolivariano da Venezuela e faz de tudo para destruir o caminho iniciado pelos governos da Bolívia e Equador. Agora, a presidente Dilma está sendo vítima desse golpe parlamentar. No domingo, ela foi condenada não pelos eventuais defeitos do seu governo e do seu estilo pessoal, mas exatamente pelo compromisso social do governo com os movimentos sociais e porque, embora com algumas contradições, representa uma iniciativa nova de independência brasileira e latino-americana frente ao Império.

O sociólogo Paulo Canabrava Filho escreve: “Junto com Chile, Colômbia, México, Costa Rica e Panamá, o Peru assinou a “Aliança do Pacífico”, acordo de cooperação política, militar e de inteligência, assim como de livre comércio com os Estados Unidos. E o governo norte-americano já instalou 12 bases miliares em território peruano, com o pretexto de combate ao narcotráfico. O número de marines desembarcados (ou invasores?) pode chegar a dez o doze mil” (Revista Diálogos do Sul, março 2016). No Equador, o presidente Rafael Correia declarou que o seu país está totalmente aberto a que os Estados Unidos instalem bases militares no Equador, desde que o governo norte-americano também permita ao Equador instalar bases militares suas em território norte-americano.

Do mesmo modo, nos dias turbulentos que vive o Brasil, é preciso ver o que está por trás de tudo isso que está acontecendo. O mais importante de tudo não é a luta contra a corrupção, já que muitos dos que a lideram estão mais do que envolvidos na mesma corrupção que fingem combater. A própria questão do impedimento da presidente também não é a meta final que almejam. Por trás de toda essa luta para criar o caos no Brasil, o projeto é impor outra política econômica e social. Trata-se de mudar as leis trabalhistas, em prejuízo dos assalariados, principalmente, revogar a política de valorização do salário mínimo; implantar a terceirização irrestrita da mão-de-obra, entregar as reservas de petróleo do pré-sal às empresas transnacionais, privatizar o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal. Introduzir o ensino pago nas universidades federais, primeiro passo para a privatização. Além disso, o governo do golpe deve dar sinal verde ao agronegócio para expulsar os índios de suas terras. Acima de tudo, precisa eliminar a política externa independente e retomar o papel que o Brasil tinha antes de serviçal dos Estados Unidos. É isso que está em jogo e muitos brasileiros não querem ver.

Quem crê em Deus sabe que ele sempre vê a realidade a partir dos mais empobrecidos e carentes. Na Inconfidência Mineira, havia padres e religiosos envolvidos na luta. Nessa luta atual, como cidadãos, defendemos a Constituição e o Estado de Direito. No entanto, quem é cristão é chamado a ir além disso. Tem de formar com os movimentos sociais e lutar pacificamente por uma justiça que vai além da justiça dos homens. Nessa mesma semana de Tiradentes, celebramos os 20 anos do massacre dos lavradores sem-terra em Eldorado de Carajás. Nesse 19 de abril, celebramos o dia latino-americano do índio, até hoje, vítima desse modelo de desenvolvimento elitista e sem coração. Ao defender os interesses dos pequeninos e lutar por um governo a serviço dos mais empobrecidos, nos colocamos do lado de Jesus que se identifica com os pequeninos e as vítimas desse modelo de desenvolvimento que nos domina. Esse é o lado no qual devemos estar todos nós.

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com