Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

As escravidões atuais

                   Não deixa de ser irônico que, a cada ano, a ONU consagre o 23 de agosto como "dia internacional da lembrança do tráfico de escravos e de sua abolição". A ONU fala de "lembrança do tráfico e de sua abolição", como se atualmente a chaga da escravidão não mais ocorresse no mundo. No entanto, organismos internacionais da mesma ONU publicam relatórios que, atualmente, se calculam em 2 milhões e 16 mil pessoas que vivem como escravos/as em diversos países do mundo. Até 2016, o governo brasileiro calculava em 30 mil as pessoas que trabalham em nosso país como escravas, sendo a maioria delas no campo. Os fiscais do Ministério do Trabalho conseguiram fazer a lista suja das empresas que utilizam trabalho escravo, 70% delas no estado do Pará.

Com a mudança do governo, os que estão no poder ou são, eles mesmos, assumidamente escravocratas ou estão muito ligados a amigos com esse DNA. Por isso, a tal lista das empresas que praticam a escravidão nunca foi publicada. Atualmente não consta que o Ministério do Trabalho continue a luta contra o trabalho escravo, como fazia antes. A ONU denuncia que o Brasil tem também muitos homens, mulheres e crianças que trabalham em regime equivalente à escravidão, em indústrias de tecido em São Paulo, em carvoarias no leste e sul e no turismo sexual, em praias do Nordeste e Norte do Brasil.

Nesses dias, no Brasil, a regressão social e política que vivemos possibilitou que congressistas tenham votado contra diversas conquistas jurídicas dos trabalhadores, incluídas na Constituição Federal. Há até quem, despudoramente, dê declarações de cunho racista e escravocrata. Infelizmente, essa onda desumanizadora e cruel se espalha pelo mundo todo. Na África e sudeste da Ásia, meninas são forçadas a se casar com quem paga a seus pais um preço estipulado. Outras que não cedem a esse destino são obrigadas a se prostituírem para sobreviver em cidades para onde fogem.

Vários analistas chegam a afirmar que as escravidões atuais têm aspectos mais cruéis e desumanos do que as formas antigas de escravidão. Além de serem mais terríveis, são mais difíceis de serem combatidas porque são mais discretas, disfarçadas e quase invisíveis na sociedade do lucro e da competição. É preciso ter olhos de sensibilidade solidária para ver e para detectar: é escravidão e é crime. 

O escândalo maior é que, muitas vezes, na história, as religiões e Igrejas cristãs foram coniventes e cúmplices com a escravidão. Apesar da atitude profética de alguns que denunciavam a escravidão e contra ela lutavam, a maioria dos membros das Igrejas caiu nesse crime. Na América Latina, em nome da Igreja, o papa João Paulo II pediu perdão às comunidades indígenas e negras pela omissão e participação de eclesiásticos nesse escândalo.

Infelizmente, ainda há sinais e notícias de grupos que se dizem religiosos ou cristãos e mantêm fazendas com trabalhadores superexplorados no Mato Grosso do Sul. Há poucas semanas, uma reportagem da Associated Press, publicada no site da UOL no dia 24 de julho de 2017 afirmava: "Brasileiros são levados como escravos por Igreja nos Estados Unidos, denunciam ex-membros". Quando tinha 18 anos, André Oliveira, mineiro de São Joaquim de Bicas, foi levado por uma Igreja (World of Faith Fellowshipp) aos Estados Unidos. Atualmente, conseguiu fugir e fez a denúncia à justiça norte-americana que até aqui não reagiu. A justiça brasileira está estudando o caso. Ele denuncia que os trabalhadores que se negam aos trabalhos forçados recebem socos e agressões "para se purificarem dos seus pecados".

É urgente que todas as pessoas de bem, ligadas a qualquer tradição espiritual, ou sem nenhuma pertença religiosa, se unam na defesa da dignidade de todo ser humano e do direito à vida, ao trabalho remunerado e à justiça social. Parafraseando Santo Irineu de Lyon, um pastor da Igreja do século III, o santo bispo mártir Oscar Romero afirmou: "A glória de Deus é a vida e a libertação do povo oprimido".

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com