Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

Comentário de filme, terça feira, 12 de julho 2016

Se alguém for mãe ou pai e viver alguma situação menos pacificada na relação com seu filho ou filha, se prepare bem antes de ir ver o novo filme do Pedro Almodóvar: Julieta. Quem acompanha a filmografia desse cineasta, certamente vai continuar achando que suas obras primas são "Tudo sobre minha mãe", "Fale com ela" e "Volver". Mesmo os grandes mestres não têm obrigação de cada vez que fazem um filme realizar uma obra-prima... No entanto, sem dúvida, Julieta é uma lição de Cinema feito com amor e com imensa competência. Tanto esteticamente quanto na sua forma de narrar a história...

Como em todos os filmes de Almodóvar, o filme se centra em uma alma feminina. A Julieta do título, vivida de forma total por duas grandes atrizes, a jovem Emma Suarez e principalmente Adriana Ugarte, é uma mulher misteriosa que só pouco a pouco vai revelando sua verdade interior e seu sofrimento em uma carta à filha que sumiu de sua vida e optou por desaparecer. 

A exuberância de cores da Julieta jovem e a sobriedade que começa a marcar a Julieta de meia idade revela o despojamento e a realidade de dor afetiva de uma mãe que vê sua filha partir sem lhe dizer nada... O romance de Alice Munro que serve de base para o filme não é o bastante para a imensa sensibilidade do diretor que mexe conosco e nos interpela a respeito dos sentimentos mais profundos do amor que habita em nós, para não dizer o amor que nós nutrimos (é o amor que nos nutre). 

Pessoalmente, sofro ao ver que "a espiritualidade" muitas vezes serve de pretexto para problemas que são psicológicos e interiores e que nada têm em si a ver com a busca da intimidade com o Divino em nós, nos outros e na natureza... E é claro quem é vítima desse tipo de ruptura tenderia a culpar a espiritualidade por lhe roubar as pessoas às quais mais se ama.... 

O filme me lembrou um poema de Ernesto Cardenal que eu traduzi mais ou menos assim:

 "Quando tu me perdeste, eu e tu perdemos. 

Eu perdi a ti, a pessoa que eu mais amava,

e tu perdeste a mim que era quem te amava mais.

No entanto, de nós dois, tu perdeste mais do que eu, 

porque eu sempre poderei amar com o amor com que te amei

e tu nunca encontrarás alguém que te ame tanto quanto eu". 

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com