Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

Comentário de filme, terça feira, 18 de fevereiro 2014

A Campanha da Fraternidade da CNBB nesse ano é sobre o tráfico humano e os jornais de sábado traziam uma notícia terrível sobre dois rapazes bolivianos que tinham sido aliciados no interior da Bolívia para vir trabalhar em São Paulo e acabaram sendo literalmente postos à venda em uma feira no bairro do Brás em plena capital paulista. Cada um deles custaria mil reais para quem quisesse comprar. Alguém denunciou à polícia. Vieram os policiais, o vendedor correu e deixou os dois rapazes presos. A polícia os levou e o consulado vai levá-los de volta para o seu país. (Jornal do Commercio, sábado, 15/ 02/ 2014, p. 9). 

É difícil imaginar isso hoje em dia no Brasil das grandes cidades, mas isso revela como essa Campanha da Fraternidade é atual e tem de nos envolver a todos. 

Achei incrível a coincidência de que, nessa semana, está entrando em cartaz no Brasil um filme que está candidato a Oscar e tem sido considerado uma das melhores produções de 2013. Chama-se justamente "Doze anos de escravidão". 

Tive oportunidade de vê-lo, não no Cinema, mas na casa de Ricardo e Malu, junto com eles em uma tv maravilhosa. Um verdadeiro cinema em casa. 

O filme é de Stephen Mc Queen, um diretor norte-americano negro, jovem, que tem o mesmo nome do famoso ator dos anos 60. O filme é baseado na biografia real de Salomon Northup, um negro livre e de classe média que, em 1841, no norte dos EUA, foi sequestrado e obrigado a ser escravo por doze anos, até que conseguiu que um advogado o libertasse. O filme é bonito, tocante e profundamente humano. É claro que ao apresentar uma realidade que era dos Estados Unidos no século XIX, o filme nos faz perguntar sobre o mundo de hoje, a desumanidade que não diminuiu e o modo da sociedade capitalista olhar as pessoas meramente como mercadorias. 

É preciso mudarmos isso e revermos em nós mesmos a cada momento o modo como nos olhamos e como olhamos os outros.   

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com