Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

Conversa, domingo, 24 de julho 2016

Itapeva é uma cidade de porte médio do sul de São Paulo, antigo caminho para o Paraná. Um amigo meu, Arnaldo Carvalheiro, antes padre na diocese de Araçatuba, foi nomeado bispo coadjutor de Itapeva. E eu vim para a posse dele na diocese. 

Um esforço imenso. Tanto porque a viagem é longa e eu vinha de uma semana cansativa, como porque me pede uma inserção em uma realidade eclesiástica com a qual atualmente tenho pouco contato e às vezes chego a pensar que teria mudado ou se transformado. 

Itapeva é uma diocese próxima ao nosso pensamento da pastoral que cuida do povo. O bispo idoso Dom José Moreira era uma referência para os movimentos sociais. A maioria dos padres é aberta e eu me senti bem acolhido pelo clero e é claro pelo povo.

Consegui de Deus a graça de não ficar julgando a celebração e simplesmente orar e dar graças e poder oferecer uma palavra de amizade e carinho ao irmão meu amigo que se tornou hoje bispo daqui. Reproduzo para vocês as palavras que eu disse a ele quando me deram cinco minutos de fala no final da celebração: 

                 "Sobre ti, Jerusalém, coloquei sentinelas. Elas não descansarão noite e dia e não darão descanso a Deus até que Ele restaure a justiça e o louvor em Sião" (Isaías 62, 5- 7).

Querido irmão e amigo

 Dom Arnaldo Carvalheiro,

Posso dizer que, em toda a minha vida, é a primeira vez que venho participar da posse de um bispo em uma diocese. Dessa vez, vim e vim de longe (do Recife). O primeiro e fundamental motivo foi que somos amigos. Como amigo, me sinto envolvido e corresponsável pela missão que um amigo assume. Mas, há outro motivo mais ligado à fé e ao amor à Igreja: sei que você está assumindo essa missão inspirado por meu mestre Dom Helder Camara. E, se Deus me dá essa graça, e Dom Helder, do céu, me permite, eu queria representá-lo humanamente junto a você aqui em Itapeva. E isso é importante porque  você me prometeu que assumiria esse serviço de bispo segundo o espírito que animou Dom Helder Camara. E você está consciente de que isso significa ouvir e obedecer ao que o Espírito diz, hoje, às Igrejas e ao povo de Deus mais amplo.

Desde domingo passado, quando em Araçatuba, você recebeu a ordenação episcopal, as pessoas que participaram daquela celebração já sentiram uma diferença. Alguém me disse que nunca viu uma celebração desse tipo tão simples e orante. Parece que foi mais sóbria e austera do que a maioria das ordenações de padres e diáconos que se fazem por aí... Isso significa que você já começou a assumir o espírito de Dom Helder. Todos que conviviam com ele sabem que ele se sentia desconfortável quando tinha de colocar a mitra na cabeça e mesmo vestido com paramentos pontificais. Algumas vezes, ele me confessou que, quando se paramentava na sacristia, orava para que as pessoas, ao verem vestido como bispo, não deixassem de ver nele um irmão pecador que Deus usava. Repetia sempre: "Eu sou apenas o jumentinho, montado por Jesus para entrar em Jerusalém".

Episcopos significa vigilante, guardião.

Na volta do exílio da Babilônia, ao ver Jerusalém dominada pelos persas, o profeta proclamou: "Sobre ti, Jerusalém, colocarei sentinelas. E eles não dormirão nem de dia nem durante a noite até que consigam despertar a Deus e fazê-lo restaurar a justiça e o louvor" (Is 62, 5- 7).

Quando o profeta escreveu esse poema, era um tempo de muita pobreza e aflição, tempo de dominação dos impérios, tempo de golpes de Estado (não parlamentar) e tempo em que até o templo de Deus em Jerusalém, sinal de sua presença no meio do povo, tinha sido destruído. Por isso, Isaías pede que o profeta não só tome posição diante das injustiças e assuma o risco de não ser compreendido pela sociedade e até pela Igreja, (durante todo o tempo em que conheci Dom Helder ele sempre aceitou correr esse risco e sofreu as consequências disso até por certo isolamento no próprio episcopado). Isaías pede também que, qual o vigilante noturno espera e anuncia a aurora (Salmo 130), o profeta não deixe Deus parecer ter esquecido e se lembre de restaurar a justiça e o louvor (isso é devolva ao povo o direito de ter o seu templo que estava destruído).

Você, Arnaldo, tem consciência de que, como diz o belo poema do 3o Isaías, foi escolhido e promovido a guarda noturno e vigilante da Jerusalém de hoje que é a Igreja cristã de tradição católica em Itapeva, assim como todo o povo de Deus sobre o qual você é colocado como epíscopos, vigilante, guardião, zelador... Como membro do colégio dos bispos, você não se tornou apenas bispo coadjutor de Itapeva, mas bispo da Igreja Universal, cuidador e guardião de todo o povo de Deus. 

Nós estamos aqui fazendo uma grande festa para a posse de um zelador... E você honrará esse nome...

Arnaldo, eu queria aqui trazer a voz de muita gente que não vem à Igreja, de muitos jovens que buscam com sinceridade a Deus, mas não conseguem aguentar o ambiente limitado e apequenado de nossas paróquias. Você sabe disso: para grande parte do povo, mesmo do povo de tradição católica, era como se o templo estivesse destruído porque eles não se sentem verdadeiramente acolhidos e integrados... Não descanse até lembrar a Deus que, através dos nossos pastores mais sensíveis, como é o papa Francisco e como é Dom José Moreira de Melo, nosso patriarca, durante tantos anos bispo dessa diocese. Deus se lembre de restaurar a justiça não somente no mundo, mas também na Igreja e possa assim restituir a todo mundo a alegria de louvar. Bom caminho e bom serviço de vigilante para você.... E conte sempre com a bênção e a iluminação de Dom Helder junto com você.

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com