Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

Meditação bíblica, domingo, 17 de abril 2016

Na tradição da Igreja, esse 4° domingo da Páscoa é o que se chama "o domingo do Bom Pastor". No capítulo 10 do evangelho de João, Jesus se declarou "o verdadeiro pastor"  contra os pastores falsos que exploram as ovelhas. Na cultura da época, certamente, esse foi o discurso mais subversivo que ele teria feito, já que o pastor era o governante - era o poder político (hoje, pastor é título religioso). E Jesus começa suas palavras dizendo que todos os que vieram antes dele são ladrões e salteadores... Como os governantes da época e seus servidores poderiam se sentir? 

Nessa parábola do pastor e das ovelhas, aprendo alguns pontos importantes para o meu caminho de vida:

1° - O pastor é uma imagem de vida nômade. Pastor é quem tira as ovelhas do aprisco e as leva para onde tiver pastos e relva... É o contrário do sedentarismo. Se quisermos aplicar hoje à Igreja, a Igreja não é o aprisco e sim o rebanho. Portanto, o pastor tira do aprisco e leva para os campos... Ele vem, abre a porta e nos tira das nossas seguranças, de nossas certezas, de nossas acomodações...

2º - Ele vai à nossa frente. Conheço pessoas que se dizem pastores e querem ir atrás do rebanho e não à frente. Indo atrás não se espoem... O pastor vai à frente, abre caminhos e corre riscos...

3º - O rebanho é uma unidade. Não somente as ovelhas conhecem o pastor, mas se sentem pertencendo a uma comunidade. 

Esse evangelho nos chama para superar nosso individualismo.

Essas imagens de pastor e ovelhas são de um mundo bem diferente do nosso (mundo rural) e ninguém de nós quer ser carneirada. Aliás, a comparação não fala de carneiros e sim de ovelhas. Mas, essa última afirmação de Jesus: eu e o Pai somos um, abre para todos nós essa possibilidade de dizer o mesmo: Jesus possibilita que todos nós digamos com toda verdade: Eu e o Pai somos um.. Tomara...

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com