Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

Meditação bíblica, domingo 22 de maio 2016

Hoje, a Igreja Católica, Luterana e Anglicana celebram a festa da Santíssima Trindade. Uma festa criada na Idade Média para acentuar o dogma trinitário. Como a festa do Corpo e Sangue de Cristo que os católicos celebram na próxima quinta feira, é mais uma festa de um tema ou ideia do que de um fato da salvação. A liturgia antiga celebrava fatos. Era memória do nascimento, do batismo, da transfiguração e da morte e ressurreição de Jesus.

Talvez, possamos dizer que se quisermos descobrir um fato por trás da fé na Santíssima Trindade, teremos de dizer que esse fato é o Amor. Deus é amor e nos mergulha nesse amor divino para ser vivido nos nossos amores de cada dia... Assim como a natureza de Deus é amor, nossa essência mais profunda é o amor. E somos fieis a nós mesmos quando vivemos o amor. Nós viemos à vida por uma relação amorosa, recebemos de Deus a respiração - o seu próprio sopro - o Espírito. De fato, nosso primeiro ato ao viver é respirar e será o nosso último ato na vida: a respiração. E já que recebemos o poder de respirar por nós mesmos, podemos receber outras inspirações, mas queremos respirar pelo sopro divino do amor. Esse amor vem de uma fonte única que é o Pai, Pai de amor maternal. Ele nos dá o seu Espírito, mãe de ternura, através de Jesus, nosso irmão. 

O evangelho de hoje é tirado das palavras de Jesus aos discípulos durante a última ceia (Jo 16, 12- 15). Sempre me impressiona muito a ternura e carinho com os quais Jesus fala aos discípulos na ceia. Como peço a Deus a graça de que as nossas celebrações, a missa que eu celebro com os grupos que acompanho, se tornem de novo esses momentos de ceia amorosa de Jesus - sinal da sua doação total às pessoas que ele ama. 

"Tenho ainda tantas coisas para lhes dizer, mas vocês não estão preparados para carregar esse peso".  É o Espírito que vai nos abrindo o caminho para a compreensão e a vivência da revelação divina. E à medida que a gente puder "carregar", viver essa responsabilidade de sermos discípulos/as de Jesus no mundo. É o Espírito que nos torna capazes de ver o mundo sob os olhares de Jesus, saber de que lado nos posicionar nas questões sociais e políticas e como viver a fé como dom de amor solidário a todos os seres humanos, especial e prioritariamente, aos mais pequeninos e marginalizados do mundo. 

O dogma da Trindade é uma forma antiga (da cultura grega) de dizer que Deus é amor e comunhão. Ultimamente, testemunhei uma forma muito real de se dizer o que é a fé na Trindade. No domingo passado, quando me encontrei com 44 pessoas que na região do norte da Itália vivem um caminho comunitário, seja entre casais que moram juntos, jovens, sejam entre outras pessoas que buscam formas de vida comunitária, a primeira pergunta que fiz a eles foi sobre a partir de que motivação eles e elas tinham caminhado para a comunidade. Tinha sido através da opção social e política? Ou através da contracultura? Ou a partir da fé? E todos/as ali me responderam sem hesitar que tinham decidido isso em sua vida por causa da fé e a partir da fé. É isso o que significa crer na Trindade. 

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com