Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

Portas fechadas, presença inesperada

Portas fechadas, Presença inesperada

                Nesse 2o Domingo da Páscoa, o evangelho lido hoje nas Igrejas (João 20, 19- 31) revela que todas as vezes que nos reunimos no nome de Jesus refazemos e atualizamos aquele encontro dos discípulos com o Ressuscitado. Eles estavam reunidos em uma sala de portas fechadas, com medo dos sacerdotes e doutores da Bíblia. Nós estamos isolados, cada um em casa, por causa do coronavírus e do fato de vivermos em uma sociedade que privatiza a saúde. Quem não pode pagar não tem direito à saúde. Agora muitos dos que têm dinheiro e acesso aos melhores hospitais também estão risco. O coronavírus ensina que a saúde de cada um está ligada à saúde de todos e a saúde de todos depende também da saúde de cada um. 

Neste 2º domingo da Páscoa, o evangelho diz que, mesmo se as portas estão fechadas, Jesus se deixa ver pelos discípulos e lhes traz a Paz, a alegria e a reconciliação para iniciar uma nova missão. O que, em primeiro lugar, Jesus mostra aos seus amigos e amigas são suas chagas. Ele não mostra um corpo glorioso e etéreo e sim as chagas da cruz. É o curador ferido. Ele ressuscita desse modo: revelando as feridas que têm no corpo e na alma. Assim, nos ensina o caminho da ressurreição. Pede que vençamos o medo e a vergonha e aceitemos revelar nossas feridas interiores. Deixemos que os amigos e amigas possam tocar e cuidar de nossas feridas. Apesar de, pessoalmente, ter muita dificuldade de viver isso (aceitar ser cuidado), sei que só quando assumimos nossas chagas  e aceitamos que os amigos/as cuidem delas, é que podemos viver a experiência da ressurreição. Só assim, podemos anunciar um modo novo de viver ressuscitados. Assim, as chagas, do Ressuscitado e as nossas, se tornam como que chagas luminosas. É ao reconhecer Jesus vivo nas pessoas feridas, que os discípulos se enchem de uma imensa alegria, como a alegria que Jesus havia prometido na ceia quando disse: "Hei de ver vocês outra vez e vocês se encherão de uma alegria tal que ninguém poderá tirar de vocês essa alegria" (Jo 16, 20).

Hoje é o oitavo dia. Assim como Tomé era discípulo, mas não estava com o grupo no primeiro domingo, também nós não estávamos. Tomé nunca aceitou Jesus ter vindo a Jerusalém e deixou claro no capítulo 11 que ele estava ali forçado. Acreditava em um Jesus, enviado de Deus, mas sem cruz.... E agora não acreditava mais. Os outros tinham medo, tinham dúvidas, não sabiam se acreditavam ou não, mas seja como for, ficaram juntos em uma sala fechada... Tomé, não. A fé dele era individualista, era eu e Deus... E não previa cruz, chagas. (Só se eu tocar nas chagas dele, vou crer que isso é assim, é real). No oitavo dia da ressurreição, portanto, no domingo de hoje, Jesus se deixa ver e se deixa tocar... Ao se mostrar aos discípulos, mesmo com portas fechadas, não mostra nenhuma luz especial. Não fala de vitória nenhuma. Não voa, nem parece ter nada de especial... Mostra as chagas e pede que Tomé toque e veja o sangue ainda correndo na ferida que tem no peito nu. Só quando a gente tem coragem de mostrar as nossas feridas interiores e sociais), parece que a vida pode se recompor e - se tornar nova...

     Jesus ressuscitado ressuscita os discípulos. Faz eles passarem do medo à liberdade, à paz, à alegria e ao perdão. Hoje, Ele nos convida para reconstruir as nossas vidas, através do perdão a nós mesmos e aos outros. A ressurreição de Jesus se renova para nós hoje. Como Tomé, podemos tocar nas chagas do Ressuscitado nas pessoas feridas pelas injustiças da vida. 

Tanto na época em que o evangelho de João foi escrito, como nas Igrejas e no mundo de hoje, muitas pessoas creem em um Cristo aéreo, celestial e pouco humano. Nós, da caminhada do Cristianismo Social e Libertador, proclamamos a fé em um Jesus histórico, real, com corpo e com chagas. É diante do ser humano meio nu, ferido e sangrando, que fazemos como Tomé, nos prostramos e dizemos: Meu Senhor e meu Deus. Se não formos capazes de fazer isso diante das pessoas concretas, cada uma com suas feridas, não testemunhamos a ressurreição de Jesus. 

Tocar nas chagas de Jesus é tocar nas chagas da humanidade hoje e ser capaz de reconhecer a presença do Espírito nas vítimas da sociedade atual. E são tantas pessoas. As pessoas que, neste momento, nos diversos serviços, vivem a solidariedade e cuidam dos outros tocam nas chagas de Jesus e testemunham ressurreição. Hoje, o Coronavírus é a chaga que faz sangrar o lado aberto de Jesus, mas a lança que provoca a ferida é mais do que um vírus. É o modelo social que discrimina as pessoas e organiza um mundo sem amor. Em meio a essa pandemia, hoje celebramos o Dia pan-americano do índio. Desde 1940, por ocasião do 1º Congresso Indigenista, o 19 de abril foi consagrado como Dia do Índio. O Evangelho de hoje nos revela esses povos, não só pessoas, mas povos inteiros sofrendo a chaga da discriminação social e do desprezo. Deixemos que os povos indígenas entrem na sala onde estamos fechados e nos mostrem suas feridas. São ressuscitados porque resistem há mais de 500 anos e nos ensinam lições de resistência. Suas feridas são provocadas pela mesma doença que atinge toda nossa sociedade: ambição e o desamor. Tocar nas chagas do irmão e irmã feridos e reconhecer neles e nelas o Cristo ressuscitado é o caminho para ouvirmos dele (de Jesus) hoje essa palavra de Paz: 

Nesse domingo, aqui isolado em minha casa, vislumbro o rosto de cada um/uma de vocês e lhes desejo, mesmo no meio das dores desses dias, uma imensa alegria, a mesma alegria que os discípulos sentiram ao ver o Ressuscitado e a plena reconciliação conosco mesmos, uns com os outros e com Deus. Amém. Aleluia. 

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com