Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

Carta aos governantes da Terra

No dia internacional da mãe Terra, organismos internacionais e grupos ecológicos como a Ágora dos/das Habitantes da Terra enviam à ONU esta carta que nós assumimos como nossa:

Carta aos governantes do mundo 

-por ocasião da cúpula de mudanças climáticas-

 É de conhecimento geral que estamos em um momento decisivo para a sobrevivência humana e da biodiversidade de nosso planeta. Há uma grave crise ambiental e de saude publica, provocada por crimes cometidos de forma continua pela ganancia do Lucro.  As pesquisas e os dados científicos são cada vez mais evidentes, que vocês conhecem e não precisamos citá-los.  Enquanto isso, todos  os povos do mundo, do campo e da cidade, sentem todos os dias as consequências dessa crise.

Segundo os estudo científicos, mantidos os padrões atuais de uso da terra, do desmatamento, da mineração predatória, do modelo do agronegócio dependente de agrotoxicos que matam a biodiversidade,  do monocultivo de transgênicos,  da acelerada urbanização, caminhamos para que 4,5 bilhões de pessoas enfrentem problemas com a qualidade e o acesso à água, e na produçãoo de alimentos. As mudanças climáticas afetam a vida das pessoas e a produtividade agrícola.

A questão, portanto, não é mais se existe uma crise ambiental, mas sim de como enfrenta-la.

O capital financeiro e seus bancos e as corporações transnacionais controlam as economias, a exploração da natureza  e os governos. Eles são os culpados e jamais oferecerão saídas verdadeiras. Querem apenas um capitalismo verde!  E as instituições internacionais do sistema   das Nações Unidas fracassaram.

O caminho para preservar a vida, das pessoas e do planeta ,  prezados senhores e senhoras, está claramente em outro sentido.  Será necessário mobilizar a toda sociedade, suas organizações, movimentos populares, cientistas, entidades ambientalistas e formarmos um acordo  em torno de medidas urgentes e necessárias: 

 1.Colocar a vida humana e da natureza acima da propriedade privada. Não é aceitável   a apropriação privada de bens comuns essenciais a vida de todos, como a terra, a água, o ar e a biodiversidade. Seu cuidado deve ser atribuído aos povos, como direito e responsabilidade coletiva em benefício do bem estar de todas pessoas.

2. Promover políticas públicas que enfrentem a fome e promovam a soberania alimentar, apoiando o campesinato e os povos tradicionais, com base nos princípios da  agroecologia.   Realizar um esforço global  apoiando com todos recursos necessários uma campanha mundial  de plantio de árvores nativas e frutíferas. 

3.Garantir o respeito aos saberes tradicionais dos povos, com suas formas de manejos da natureza, que já duram séculos, e os saberes científicos, em busca de garantir a produção e a reprodução humana, a diversidade cultural e biológica, em equilíbrio com a natureza;

4. Criar mecanismos financeiros de apoio a iniciativas e projetos das populações locais para que elas realizem ações concretas de proteção da natureza, das florestas, das aguas, dos alimentos sadios.

5. Penalizar as empresas e projetos que agridam o meio ambiente, as populações indígenas e nativas,   expulsando-os do mercado.

6. Mudar a matriz energética em todos países para formas sustentáveis. Realizar mudanças nas grandes cidades, com medidas para evitar a poluição, melhorar a vida de todos, incluindo o transporte coletivo.

7. Tomar ações definitivas para proteger a poluição dos oceanos, lagos e rios, penalizando gravemente a todos agressores como a indústria química, de plastico e poluentes industriais.

8. Proibir o uso de glifosato, o 2,4D e outros agrotoxicos, que matam a biodiversidade,  contaminam o meio ambiente e a saude das pessoas.

9. Garantir uma renta básica universal, com os recursos dos capitais escondidos nos paraísos fiscais, para proteção e manutenção das famílias camponesas,  povos tradicionais e as que vivem em áreas de risco nas cidades. 

10. Criar novos mecanismos internacionais de políticas, controle e fiscalização com a participação de cientistas, governos, entidades da sociedade e movimentos populares de todo mundo.

 O capitalismo, senhoras e senhores, caminha a passos largos para a barbárie social. Em sua busca apenas pelo lucro  está levando  a humanidade e a natureza ao colapso. Estamos em um momento singular da história mundial, onde os valores solidários e ecológicos devem superar os do individualismo e do consumismo, só defendido pelos grandes capitalistas insanos e seus governos. 

Defendemos um novo caminho, com  nossas plantações e criações agroecológicas, na proteção das aguas e dos bens da natureza, em nossas resistências territoriais, em nossas reconstruções solidárias nas cidades. 

Contra o projeto de morte e destruição implementada pelo  capital neoliberal, das grandes corporações, nos comprometemos com a vida. É esse o caminho que continuaremos a seguir, construindo um mundo justo, solidário,  ecológico e internacionalista.

E a vocês governantes, assumam vossa responsabilidade pública, ainda que tarde! 

 22 de abril de 2021, Dia da terra!

Assinam  as redes internacionais..

 

 

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com