Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

Meditação sobre a Cruz de Jesus

      Queridos irmãos e irmãs, 

 O evangelho de João e a realidade que vivemos hoje no Brasil nos convidam a não separar cruz e ressurreição. Diferentemente dos outros evangelhos, o texto que nós acabamos de ouvir começa dizendo: Jesus tomou a cruz sobre si. Isso não é histórico. Historicamente o o obrigaram a carregar a cruz. Mas, João quer mostrar que Jesus assumiu interiormente, de certa forma livremente a cruz pela missão de testemunhar o reino de Deus, o projeto divino de um mundo novo. Ele tinha dito a Pilatos: Sim para isso, nasci e para isso vim ao mundo para dar testemunho da verdade. E Pilatos perguntou: O que é a verdade? A verdade é que Deus não é caloteiro. Alguém que promete e não cumpre. A verdade é que mesmo em um Brasil se transformando em um imenso cemitério e onde Deus é tão mal falado e o seu nome serve para legitimar as piores causas possíveis, alguém aceita ser condenado e ser morto para dizer: Não. Deus é Amor. O amor 

A condenação à morte que Jesus viveu é resumo e símbolo de todas as injustiças e violências que ocorrem no mundo. O verbo mais usado nos relatos da paixão é o verbo se entregar, se doar... Mas, sempre com sentidos vários. O evangelho diz que Judas o entregou (isso é o traiu) aos sumo-sacerdotes. Os sacerdotes o entregaram a Pilatos (o poder religioso o levou ao poder político), este o entregou aos soldados e esses o entregaram à morte... E este verbo passivo: foi entregue de repente passa ao ativo: entregou-se, doou sua vida por nós... 

Sobre a cruz, o que Deus pediu a Jesus foi que, mesmo sofrendo a violência e sendo vítima do desamor, ele continuasse a amar. E Deus não pediu a Jesus o amor a si mesmo nem o amor a Deus. Ele pediu que Jesus aceitasse viver em si o amor de Deus pela humanidade, mesmo e principalmente naquela hora pelos homens violentos, responsáveis pela sua morte. 

Em uma explicação deste evangelho da paixão, o padre José Comblin, na altura dos seus mais de 80 anos de vida e mais de 50 de teologia, afirmou: “Escrevem por aí: ‘o sangue do Cristo tem poder’. Que poder pode ter o sangue do Cristo? Nenhum. Quem tem poder é o amor do Cristo”. 

No mundo a raiz da maior alienação é a incapacidade de amar. E ainda há muitos corações incapazes, verdadeiramente incapazes de amar. O que Jesus fez foi mostrar que o amor só pode ser reinstaurado a partir do não amor. Isso significa não responder à indiferença, mas suportá-la. Não reagir à hostilidade, mas assumi-la contra si mesmo. Não restituir a bola do mal que lhe é jogada. A morte de Jesus na cruz é o lugar revelador do amor que assume o não amor para reabrir no mundo a possibilidade do amor. É um amor abissal com o qual é restituída ao ser humano incapaz de amar por causa da alienação do qual foi vítima na história, então é devolvida a capacidade de amar: amor de compaixão que se inclina sobre quem padece, vítimas e algozes, (Muitas vezes, algozes se tornam vítimas e vítimas se fazem algozes). Jesus morreu de amor, ou por amor para  despertar neles a relação fraterna, amor divino no qual Jesus mesmo morrendo revela em si a sua liberdade de amar. Por isso, mesmo na morte, ele já aparece como vivo e ressuscitado porque o amor não morre. 

 Portanto, o seu amor sobre a cruz não é uma modalidade entre tantas do amor. É diferente. É a explosão de um amor novo e impensável que ele aceitou comparar com a imagem do escravo lavando os pés dos discípulos. O escravo não tem o patrão como amigo. Ele sabe que o patrão o explora e o maltrata. Se Jesus assume a função de escravo é porque assume o peso e a violência que é a própria escravidão. Então a cruz é uma forma totalmente impensável de libertação. Ele liberta assumindo o lugar do escravo. Na cruz aparece o amor que consiste em amar a quem não ama para que quem não ama volte à possibilidade de amar. O amor de Jesus sobre a cruz por quem o rejeita e até o mata é o tipo de amor que é condição necessária para a reinstauração do amor no mundo sem mais amor. 

É nesse sentido que o Novo Testamento diz que a morte de Jesus é necessária. É necessária porque é expressão de um amor que ativa o amor em um amor sem mais amor e sem o qual o amor gratuito e de doação não seria mais possível no mundo. 

O escritor judeu Elie Wiesel, prêmio Nobel de literatura, escreveu: “Para a tradição judaica, a morte não é instrumento do qual o ser humano possa se servir para glorificar a Deus. Toda pessoa humana é um fim em si mesma, uma eternidade viva. Ninguém tem o direito de sacrificá-la, nem mesmo Deus. Se Abraão tivesse matado o seu filho, não teria se tornado nosso pai e intercessor. Para o judeu, toda verdade brota da vida e não da morte. Para nós, compreendida como sacrifício, a crucifixão de Jesus representa um passo atrás na história e não um avanço na relação com Deus. No monte Moriá, Isaac permaneceu vivo, marcando o fim de uma era de assassinatos rituais. (...) O Calvário é apresentado pelos cristãos como manifestação de um Deus que gosta de cruz. Durante os séculos, quantas vezes, o Gólgota serviu de pretexto para massacres de pais e filhos, misturados pela espada e pelo fogo, em nome de uma palavra que queria ser de amor”[1]

Hoje, fazemos memória da cruz de Jesus para nos levantarmos contra todas as cruzes de hoje e para tirar as pessoas e comunidades crucificadas de suas cruzes e testemunhar que a sociedade do desamor não tem a última palavra. Nenhuma cruz é santa. Só o amor salva a nós, à humanidade e à Terra. 



[1] - ELIE WIESEL, Célebration Hassidique, Paris, Ed. du Seuil, 1975, p. 73- 74. 

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com