Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

Somos todos santos reis magos

Somos todos magos e magas, reis e rainhas

 Neste começo de ano, com o mundo ainda mergulhado na pandemia da Covid, agravada pela pandemia do desamor e da indiferença em relação à vida das pessoas, não podemos ver sair as folias de reis, tão frequentes no Centro-oeste e em algumas outras regiões do Brasil, nem as danças populares como o pastoril e o reizado.

Seja como for, hoje é 06 de janeiro e o povo lembra que é festa de Santos Reis, santos canonizados pela piedade popular. Pouco  importa se a página do evangelho que conta a visita dos sábios do Oriente ao menino de Belém é de tipo simbólico. Os próprios peregrinos, sacerdotes da antiga religião persa dos quais fala o evangelho do Natal em Mateus  não aparecem ali como figuras históricas. A tradição cristã do Oriente e do Ocidente os tornou reis magos e fez da viagem deles, conduzidos por uma estrela, do Oriente até Belém o protótipo de toda a busca humana do Mistério. 

Pessoas pertencentes a todas as tradições espirituais, como também intelectuais de todas as culturas, mesmo se não pertencem a nenhuma religião específica são chamados a viverem uma verdadeira peregrinação interior. Em meio às lutas da vida, buscam descobrir e penetrar no mistério mais profundo da vida. A luta cotidiana pela existência e a agitação da sociedade atual tenta as pessoas a esquecer ou mitigar essa busca. O sentido mais profundo das celebrações populares do Natal e Reis Magos é revigorar essa procura no mais profundo das pessoas. 

A tradição iconográfica retratou os magos como sendo três e um deles seria negro e africano. Já na Idade Média, uma corrente da Síria pintou um outro dos magos como sendo uma bela mulher. Assim, vemos a diversidade de raças e de gêneros, unidos na mesma caminhada da vida e da busca da fé.  Muitas vezes, a pregação dos eclesiásticos vê esse relato do evangelho como se se tratasse de uma “conversão dos pagãos ao Cristianismo”. Ao contrário, o texto de Mateus diz que “depois de oferecem os seus presentes, os magos voltaram aos seus países, indicando aí a continuidade de suas vidas, de suas culturas e religiões. 

O evangelho também mostra que esses peregrinos da verdade e do amor tiveram de lidar com Herodes. No início, sem saber com quem estavam lidando e depois, ao descobrirem, na busca das estratégias para enganá-lo e dele escapar. Quantas vezes, hoje, pessoas comprometidas com o bem-comum são obrigadas a lidar com os detentores do poder mesmo que sejam como o impostor Herodes que se autoproclamava rei da Judeia. Também os magos tiveram de lidar e mesmo ouvir os sacerdotes do templo e doutores da lei judaica para os quais o conhecimento da Bíblia não somente não os conduziu à busca do Amor, como até, ao revelarem o conteúdo das profecias, deu a dica a Herodes para o massacre das criancinhas. 

Nestes dias recebi do amigo Carlos Brandão, apaixonado pelas folias de Santos Reis os versos que neste ano, os foliões podem cantar: 

Pai, Filho e Espírito Santo 

Vamos nos benzer primeiro 

Livrai-nos desse contágio 

Que assolou o mundo inteiro 

 

Esse ano a Bandeira 

Não visita as famílias 

Outro giro com os Três Reis 

Só depois da pandemia 

 

Mas não deve haver tristeza 

Deus permite a provação 

Só se vê o brilho da estrela 

Quando cai a escuridão

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com